sábado, outubro 14, 2006

desesperada


do ruído

subitamente exasperada pelo ruído: vozes na televisão, uma espécie de buzina que entra em casa intermitente (é uma rebarbadeira ao longe, não sei o que é uma rebarbadeira mas só pode ser uma isto que me atormenta), o apito dos semáforos, os estudantes fanfarrões pela noite que já foi minha, aviões, sirenes, gaivotas marginais disputando o lixo nas traseiras.

do silêncio

desesperada por silêncio, um silêncio profundo como o das noites na serra (em que se chegam a ouvir as estrêlas), como o do deserto (onde nunca estive a não ser nos livros), o silêncio do acordar sem horas dos dias de férias. silêncios primordiais atravessados pelo som da água que corre, da brisa nas folhas, pelos ralos à noite. o silêncio das florestas húmidas e dos amanheceres na Costa Rica e a rompê-lo o macaco rouco e o zunir de uma vida animal intensa. o silêncio sub-aquático, o silêncio do cume das montanhas, alguém cantando ao longe.


Etiquetas: ,

1 Comments:

At 12:06 da manhã, Blogger D em Coimbra B said...

Andas 'desperada'? É bom, andas viva. Mas bom mesmo, sabes isso, é continuar a saber ouvir as estrelas...

 

Enviar um comentário

<< Home

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!